-

sábado

Livro da semana: Pollyanna, de Eleanor H. Porter

Eu acho que tinha 11 anos quando li Pollyanna pela primeira vez. Minha prima insistiu tanto, e falou tão bem do livro, que eu não poderia deixar de ler. Ok, como sempre, eu me apaixonei pelo livro, a história é sensacional, os personagens são perfeitos e Pollyanna é a menina mais apaixonante do mundo da literatura, isso porque eu nem gosto desse tipo de livro, meio dramático mas meio sem drama (alguém entendeu isso?)
Li o livro super rápido porque sempre queria saber o que acontecia em seguida. Acho que devo ter passado uns três dias sem mexer no computador só para chegar logo ao fim da história, mas ao mesmo tempo eu não queria que ele terminasse porque dava vontade de ficar lendo forever, haha.
Pollyanna moça eu li um tempinho depois, mas gostei bem mais do primeiro. No primeiro livro, Pollyana é uma menina órfã que leva alegria à todos à sua volta com um jogo que seu pai havia ensinado, o "jogo do contente". Nesse jogo quem estivesse triste sempre tinha que pensar em um motivo para ficar feliz, tipo um aspecto positivo do que causava a tristeza. Por exemplo: alguém está à cinco dias sem comer chocolate porque está de regime (chora), mas depois do sacrifício estará esbelta e esse foi o exemplo mais fajuto que eu já dei na minha vida. 
De qualquer forma, "Pollyanna" e "Pollyanna Moça" são livros maravilhosos, que já emocionaram bastante gente.


Olhem só a sinopse do In Livros:
"Pollyanna é considerada por todos uma menina extraordinária. Mas ela não sabe o que isso significa, até que conclui que "extraordinária" deve ser o oposto de "ordinária" e fica feliz. Normal, já que a menina vive sua vida segundo as regras do "jogo do contente", uma brincadeira que consiste em sempre encontrar o lado bom das coisas. "Pollyanna" é um clássico infanto-juvenil escrito em 1913 por Eleanor H. Porter, que desde então foi capaz de fazer meninas de diferentes décadas e países experimentarem o "jogo do contente", todas inspiradas pela pequena e sardenta órfã que amoleceu os corações mais rabugentos que encontrou e levou alegria aos que passaram por sua vida. Mais do que uma personagem, com sua alegria quase irritante, Pollyanna se tornou um adjetivo para definir os otimistas incorrigíveis. Teve uma continuação, "Pollyanna Moça", e virou filme em 1920, com Mary Pickford, e 1960, com Haley Mills. Além disso, foi peça montada em teatros do mundo todo, a começar pela Brodway."

Os dois livros são muito legais, e quando tiverem um tempinho vale muito a pena pedir emprestado para a tia que gosta de leitura ou procurar na biblioteca da sua cidade, ok!?

9 comentários:

  1. Não sou muito fã de leitura mas quero começar a ler mais :) acho bem importante haha...
    Estou retribuindo a visitinha e seguindo! Adorei aqui, tudo bem fofo! uhauah
    Beijinhos,
    Emi.
    www.thecherrytomypie.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é super fofo e bem rapidinho de ler, haha.
      xoxo

      Excluir
  2. Deve ser muito legal esse livro!
    Aqui é muito fofo,adorei seu blog!
    Obrigada pela visitinha e volte sempre!
    Tem post novo no GA,passa pra conferir?
    Beijinhos :*
    http://garota-amargurada.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Agora quero ler "Pollyanna" *0*
    Parece bem legal !
    Kisses ;*

    http://porckybunny.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ótima dica, é sempre bom incentivarmos novos leitores, parabéns!
    Seguindo aqui tb!
    Boa semana!
    Fica com Deus!
    Beijo!
    http://nannacunha.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. oie,o seu blog é super DIFERENTE;criativo e contagiante!!EU A-D-O-R-E-I ELE ,SE QUISER DÁ UMA PASSADINHA LÁ NO MEu,e fale oq achou dele?/purplefazhion.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Gostei do seu blog e estou seguindo.

    http://dezessetedesejos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, estou seguindo o seu também
      xoxo

      Excluir